1 de abr de 2012

Dia 19 29/03/2012 - Tá... Mas e o dia-a-dia?

Dia 19 29/03/2012 - Tá... Mas e o dia-a-dia?

Até hoje, eu tinha somente feito trajetos parciais daquele que eu me propus desde o início da aventura. Ou seja, de casa para o trabalho, do trabalho para a faculdade e da faculdade para casa. O trajeto completo tem 25 quilômetros. Hoje foi o primeiro!

Acordei e fui na janela para ver o clima e temperatura. Estava frio (a temperatura mínima do dia foi de 9,8ºC). Tirei do armário meu velho parca de guerra para proteger deste frio e principalmente do vento. Não durou muito... Nos primeiros 10 minutos eu já tirei e fiquei somente com a camisa de manga comprida. Que frio, que nada... O trajeto até a empresa já era conhecido e foi muito tranquilo. A bike ficou comportadinha na firma o dia todo.

O final de tarde também foi muito tranquilo e pegar a Farrapos não trouxe grandes problemas. Não sei se está sendo sorte ou eu que já estou me acostumando com o trânsito... Mas está sendo sempre tranquilo pedalar em horários considerados de grande fluxo em avenidas como Assis Brasil e Farrapos. Os motoristas estão respeitando e procuro sempre sinalizar meus movimentos, me mantenho na esquerda, não faço movimentos bruscos e acho que por isso sou respeitado. Também me aproveito do fato de poder desmontar da bike e empurrar na calçada para atravessar a rua andar onde carro não pode. Afinal, bicicleta tem que ter suas vantagens.

A volta da aula, o trajeto mais longo, também foi tranquilo. O frio já não estava tão intenso quanto pela manhã mas muito agradável mesmo assim.

Resultado final: tudo muito tranquilo e prazeroso. Fico cada dia mais certo de que tomei a decisão correta em retomar a bike e efetivamente utilizá-la como meio de transporte.

Dia 15 25/03/2012 - Passeio Ciclístico Aniversário de Porto Alegre - 240 Anos


Dia 15 25/03/2012 - Passeio Ciclístico Aniversário de Porto Alegre - 240 Anos

Comemoração do aniversário de Porto Alegre e dia do meu aniversário. Nada mais justo que um programa ciclístico para comemorar.

A concentração foi em frente ao supermercado Nacional da av. Wenceslau Escobar. O passeio reuniu cerca de 4000 pessoas de acordo com o portal G1. Foram distribuídas camisetas para os primeiras 1500 pessoas mediante a doação de 1Kg de alimento. O que me forçou a acordar cedo e para adiantar a vida, pegar um ônibus.



Desci até o final da linha do T4 pedalando e percorri todo o trajeto da linha até o final da linha na Diário de Notícias, em frente ao Barra Shopping Sul. Depois foi só pegar o último trecho da ciclovia pedalando e uma pequena parte da Wenceslau e já estava lá.


Haviam muitos grupos de vários lugares da cidade e da Grande Porto Alegre. As famílias também se fizeram presente com muitas crianças. Teve premiações para as bicicletas mais inusitadas e participantes como: a bicicleta de maior aro, a mais enfeitada, para o ciclista e a ciclista mais velhos e mais jovens…


Partimos do supermercado liderados por um trio elétrico com música mecânica. Fiquei tão distante que nem ouvia mais o som vindo de lá. Além de música, eles iam instruindo o pessoal a manter a pista, não subir nas calçadas entre outras coisas, coordenando o passeio… 


Seguimos pela Wenceslau, pegamos depois a Diário de Notícias. Após seguimos pela av. Guaíba até a praça Araguaia e o mirador (antigo Timbuka) e depois pela av. Copacabana pegando novamente a Wenceslau em direção ao supermercado Nacional novamente, nosso destino final. Fora a pequena subida na av. Guaíba e o último trecho da av. Copacabana em paralelepípedo, todo o resto do passeio foi tranquilo. A criançada estava muito mal educada e costurando o tempo entre o pessoal.

A Karen depois veio me pegar de carro e fomos almoçar com minha mãe para comemorar meu aniversário.

Meu álbum de fotos do passeio no Facebook.

25 de mar de 2012

Dia 9 19/03/2012 - Multimodal

Dia 9 19/03/2012 - Multimodal

Comecei uma semana compensando as 40 horas que tinha no banco de horas na firma. Em resumo, estou ficando em casa às tardes. Então resolvi experimentar ir de lotação para o centro com a bike dobrada e todo esse processo. Nos finais de tarde, é mais fácil pegar as lotações aqui de casa que vão em direção ao centro. De bike dobrada, fui até a avenida aguardar a lotação. Rapidamente veio uma e com espaço de cadeirante, perfeito para guardar a bike com cintos de segurança e tudo. É claro, se o real utilizador do espaço aparecesse, eu rapidamente retiraria a bike dali. Na verdade, a ideia original era fixar a bike no espaço ao lado do motorista. Todas as lotações tem aquele espaço e isso seria igualmente perfeito. Mas ela foi ali no espaço do cadeirante até o final bem comportadinha.
Aí está ela comportada de cinto na lotação

Foi descer na Borges e fazer o trajeto já sabido. Bem tranquilo.

Na aula, mais uma vez, a minha companheira ficou ao meu lado.

Ao meu lado em sala de aula


Sem a bolsa, apesar de contraditório, as coisas ficam mais simples. No mínimo, mais ágeis.

A volta também foi tranquila e já comecei a sentir o resultado, mesmo que dos poucos dias, de exercício. O fôlego já está melhor e meu peso, depois da perda de 10kg, não está subindo. Ponto pra magrela!

Dia 5 15/03/2012 - Na noite...

Dia 5 15/03/2012 - Na noite...

Terça e quarta choveu e a bike ficou na empresa direto. Quinta-feira é dia que a aula termina tarde e decidi que nestes dias não vou de bike. Terça é outro dia assim e a bike fica em casa também. Mesmo assim nessa quinta eu fui e intimei o professor... Mas nem foi necessário... Ele também tinha compromisso e a aula acabou mais cedo. Sorte minha.

Hoje fui de novo de ônibus mas o dia começou bem. Se não chover, a noite vou de bike pro Senac e volto pra casa... Rolou que fui de bike... Peguei a av. Farrapos, depois um pedacinho da av. Voluntários no centro da cidade e subi a Borges de Medeiros até o Senac.

Andar de bicicleta pelas ruas da cidade te proporciona situações inusitadas. A av. Farrapos é conhecida por suas esquinas serem famosos pontos de prostituição. Ao passar por uma dessas esquinas, uma senhora de proporções grandes e trajes diminutos deu uma gargalhada tão alta, que se sobrepôs ao som do tráfego intenso e acredito que até o pessoal que andava do outro lado da avenidas (quatro faixas de carro mais duas de ônibus) conseguia ouvir. Acenei para ela... Na subida da Borges, o cidadão aqui não teve perna, mesmo na primeira marcha. Desci e empurrei até um pouco depois da Riachuelo. Depois foi tranquilo ladeira a baixo... hehehehehe

Mesmo com a bike embalada na bolsa, a galera da aula pirou com a magrela. A notícia se espalhou rápido e todos queriam ver ela montada. Foram só apoio! Tudo de bom! Melhor turma que essa não há na face da Terra. Na saída, todos estavam me esperando para ver a bike ser montada... Foi muito engraçado e ao mesmo tempo emocionante, ouvir todos só com palavras de apoio.


Galera! Melhor turma que vocês não há! Vocês são os melhores dos melhores do mundo! Muito obrigado pelas palavras de apoio. Amo todos vocês!

Na volta ainda deu para acompanhar os colegas a pé até o Mercado Público e dali seguir de bike para casa. Um retorno de 12km bem tranquilos. Tudo belezinha.

24 de mar de 2012

Dia 3 11/03/2011 - Metade do Trajeto

Dia 3 11/03/2011 - Metade do Trajeto

Foi o primeiro dia de trânsito real de dia de trabalho. Acordei 20 minutos antes do normal se fosse ir de ônibus. A saída foi no horário normal de sempre. Queria ver o quanto tempo eu levaria para chegar ao trabalho e se haveria vantagem sobre o ônibus. Verdade seja dita, o trânsito da manhã é pesado... Mas o pessoal ainda tem algum respeito. Outro lance que acontece é o fato da bike chamar atenção o que faz os motoristas reduzirem a velocidade para ver. Também há a vantagem de poder atravessar ruas empurrando a bike o que faz a gente ganhar algum tempo encurtando alguns caminhos e evitar partes congestionadas.

A parte boa é que cheguei na empresa 15 minutos antes do tempo que normalmente levo de ônibus. Perfeito! Tive tempo de embalar a bike na bolsa (Sim, veio uma bolsa com ela. Grata surpresa), trocar de camisa (a que eu usei ficou encharcada) e ainda sobraram uns minutos. Tudo tranquilo.

Tive um compromisso na tarde o que acabou me forçando a deixar na empresa e ir de ônibus. Não foi hoje que eu fui de bike pra facul... :-(


Dia 1 09/03/2012 - Perfeito!

Dia 1 09/03/2012 - Perfeito!

Recebida a bike na sexta-feira, nada mais justo do que o Dia 1 ser no sábado para um testezinho... Com previsão de tempo bom e temperaturas amenas, era tudo que eu queria. Dia sem chuva, mas com nuvens também que ajudou bastante.

Saí daqui de casa, na Zona Norte de Porto Alegre no bairro Sarandi e fui até a Zona Sul no bairro Nonoai, um percurso de 24km. Já fazia algum tempo que eu não andava de bicicleta e muito menos uma com um aro tão pequeno, neste caso 20. Você pedala mais e se desloca menos. As marchas, seis no total, ajudaram bastante. Se tivesse optado pela sem marchas, teria sofrido. Foram três paradas: uma estratégica na av. Farrapos para hidratação (acabei comprando uma água mineral sem gás), depois mais uma na Praça da Alfândega para recuperar o fôlego e finalmente a última no parque Harmonia.

O trajeto da Usina do Gasômetro até a esquina da Diário de Notícia foi por ciclovias. A primeira vai da Usina até o encontro das avenidas Edvaldo Pereira Paiva (Beira Rio) e Padre Cacíque, tem a primeira parte quase impecável, principalmente próximo das áreas revitalizadas pela Pepsi. Logo depois da Ipiranga a coisa só vai piorando até chegar a uma parte só com uma lembrança de asfalto e buraqueira. Dali até o Barra Shopping, aonde começa a outra ciclovia, é uma terra de ninguém. A área que fica em frente ao museu Iberê Camargo, apesar de ter uma bicicleta por logotipo, não apresenta nenhuma facilidade para as bike. Inclusive, bem em frente ao museu, houve uma tentativa de melhorar a passagem com uma brita fina, mas serve mais para "atolar" as bikes do que para outra coisa. E logo após, na área do antigo Estaleiro Só, aonde está um depósito do material das obras de tratamento de esgoto, a situação piora e não existe nem ao menos calçada. A ciclovia construída pelo Barra Shopping como compensação é um grande avanço. Mesmo assim muita gente reclama da maneira como foi feito o calçamento: não seria o mais adequando. Foram usados blocos de concreto, que tenho que concordar que são desconfortáveis de transitar. Mas antes uma ciclovia dedicada do que nenhuma.

A volta teve que ser de carro. Mas isso não significou problema... Bastou dobrar a magrela e colocar no porta-malas do Golzinho. Fácil, fácil... Afinal, foi com essa ideia em mente que a bike foi comprada.

Dia 1 cumprido com louvor...

A Nova Bike está aí!!!

Vou explicar para vocês porque eu demorei um pouco para dar voltar aqui: Comprei aquela bike do post anterior e ela já chegou. Mas tudo começou muito antes e vou contar aqui:

No início dessa minha aventura, eu estava já meio desgostoso em ter que remendar uma velha bike para dar as voltas que eu pretendia. Também fiquei pensando se teria lugar para estacionar a bike sempre que eu fosse sair. Tendo tudo isso em consideração, comecei a pesquisar sobre as bikes dobráveis. E pensei: -Olha só que maravilha! Eu agora poderia ir aonde quisesse sem me importar com estacionamento e mais vantagens como por exemplo: Se eu me cansasse no meio do trajeto, era só dobrar a bike e embarcar num ônibus, lotação ou trem. O mais puro e verdadeiro intermodal!

Em minhas pesquisas, encontrei vários modelos e preços. Os preços, em especial, me assustaram demais!  Já estava desistindo da compra quando encontrei a Blitz City.
Perfeito! Baratinha, dobrável... Tudo o que eu queria. Até ignorei o fato de não ter marchas. Estava prestes a concluir o processo de compra quando decidi dar uma olhada nas especificações da bike no site... Foi nesse momento que os "butiá" cairam do bolso... Descobri que as magrelas de dobrar tem limite de peso... Ou seja, o gordinho aqui não poderia ser transportado pela Blitz. Foi-se por água a baixo meus planos de conquistar o mundo, quero dizer, de andar livre-leve-solto pelo mundo...

Mas sou brasileiro e não desisto... Continuei vagando pela internet... Fiu a busca no Google... E diferentemente do restante da população, passei da primeira página de resultados da busca... Fui até onde nenhum outro internauta jamais esteve... E lá encontrei uma loja chamada Bike Town e encontrei esta bike lá.
A análise teve que ser feita levando em consideração a realção limite de peso/preço . Depois de uma conta rápida, descobri que o valor da parcela da bike (que fiz em 12 vezes) ficava dentro do meu orçamento e com um valor muito próximo do que gasto mensalmente com as passagens de ônibus.

Uma rápida pesquisa mostrou a idoneidade da Bike Town e fechei a compra. A entrega foi mais rápida do que eu esperava... Tudo muito tranquilo e rápido. A bike foi enviada pelos Correios via PAC.

E é claro que o dia 1, 2, 3, 4, 5, 6 e muitos outros já rolaram e vou relatar alguns já nos próximos posts.